Mário Centeno, o “Ronaldo das finanças”