A “força” das autoridades para além da vigilância