Revolução Silenciosa

Já reparaste naquela pessoa que ocupa um pequeno quadradinho, no canto inferior da tua televisão, e que passa todo o noticiário a fazer gestos com as mãos? Essa pessoa é um intérprete.

Os intérpretes televisivos são a ponte entre as pessoas com deficiência auditiva e o que está a ser transmitido na televisão, através da língua gestual. Em vez de comunicarem com palavras sonoras, utilizam movimentos de mãos articulados com expressões faciais.

Em Portugal, existem cerca de 100 a 150 mil pessoas que não ouvem bem. Dentro desses valores, 15 mil pessoas têm como primeira língua a língua gestual portuguesa. Exatamente por isso, os gestos e a leitura labial têm sido considerados uma necessidade de comunicação humana nos meios de comunicação, pois permitem uma maior integração social.

Nos dias de hoje, apesar do caminho em busca da tolerância e do respeito, a comunidade surda portuguesa gostaria de poder aceder à informação através de um quadrado de TV confortável à vista e não um quadrado minúsculo. Apesar de as principais dificuldades da comunidade surda serem as barreiras linguísticas, a incompreensão e intolerância sobrepõem-se.

Desta forma, é necessário valorizar o trabalho e o desempenho dos intérpretes que procuram, diariamente, chegar a um conjunto de pessoas que merecem respeito pela individualidade e pela língua de expressão de uma cultura rica em valores e ainda desconhecida pela maioria dos portugueses.