OMS África solicita segurança depois da flexibilização de medidas

Fonte: A Nação

A Organização Mundial de Saúde (OMS) África alertou hoje, dia 30 de abril, para a relevância de preservar a forte segurança e insistir na detenção de casos no combate à pandemia do Covid-19.

A directora regional da OMS para África, Matshidiso Moeti, deixou um apelo no decorrer de uma reunião online para a comunicação social: “Não podemos simplesmente voltar ao que era antes do surto.”

Moeti afirma que os bloqueios nacionais e regionais favoreceram em atenuar a “propagação da covid-19, mas esta continua a ser uma ameaça considerável para a saúde pública”.

No objetivo de atrasar os bloqueios, registados em alguns países, a especialista indicou que se os governos acabarem com as medidas, os países correm o risco de perder os ganhos que fizeram até agora em oposição ao novo vírus.

De acordo com a Lusa, os países que aplicaram o encerramento a nível nacional verificaram que o crescimento semanal do números de novos casos diminuiu, o que se constata do aumento de 67% na primeira semana para um aumento de 27% na segunda semana de encerramentos.

Matshidiso Moeti comunica que para a nivelar a curva da pandemia tem de ser manter as reclusões orientadas em dados “e acompanhadas de medidas de saúde pública”, o que leva ao equilíbrio dos grandes custos sociais desses países.

Ruanda foi o primeiro país africano a implementar um bloqueio, a 21 de março. De seguida, juntaram-se 11 países aos bloqueios impostos. Em termos de encerrarem parcialmente cidades ou comunidades de alto risco foram 10.