Museus nacionais fecham portas ao público

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, encerrou hoje, dia 15 de março, para “prevenção e salvaguarda da saúde pública, na sequência das orientações da Direção-Geral do Património Cultural”, face ao combate da pandemia Covid-19, divulgou a instituição nas suas páginas oficiais, Facebook e Instagram.

Museu Nacional de Arte Antiga, fonte: visitportugal

De acordo com a informação anunciada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), o Museu Nacional dos Coches e Picadeiro Real, o Museu Nacional do Azulejo e o MNAA, que se encontram no topo da lista dos museus nacionais com o maior número de visitas, estão encerrados.

Desde de sexta-feira, dia 13, que a DGPC tem vindo a anunciar a lista das instituições que se encontram encerradas devido ao controlo da pandemia. O Panteão Nacional, o Palácio Nacional de Mafra, em Lisboa, e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, os mosteiros da Batalha e de Alcobaça, zona oeste, são alguns dos 16 museus, palácios e monumentos nacionais que se encontram de portas fechadas ao público.

Numa nota publicada no site, a DGPC afirma que “os restantes serviços nacionais dependentes” deste organismo cancelaram todas as atividades e iniciativas de caráter público, que estavam agendadas”, e acrescenta que “estes monumentos e museus nacionais”, ainda abertos ao público, podem “encerrar a qualquer momento” caso as condições se propiciem.

A DGPC faz a gestão de 25 monumentos e 17 museus nacionais, sendo que o Palácio Nacional de Mafra, mosteiros da Batalha e de Alcobaça, Mosteiro dos Jerónimos/Torre de Belém, e Convento de Cristo fazem parte dos monumentos inscritos na lista do património mundial da UNESCO.

Grão Vasco, em Viseu, Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, Resistência e Liberdade, em Peniche, são alguns dos museus que ainda não se encontram na lista de instituições encerradas, da DGPC.