Gulbenkian atribui 1,5 milhões a mais de 1500 agentes culturais

Fonte: Público

Um total de 1,5 milhões de euros vai ser distribuído por agentes individuais e estruturas artísticas nas áreas da música, dança, teatro ou artes visuais. A Fundação Calouste Gulbenkian anunciou hoje, dia 21 de abril, os resultados do concurso de emergência lançado a 30 de março, para apoiar profissionais da cultura afetados pela paralisação do sector, devido à pandemia da covid-19.

Foram beneficiados “mais de 1500 agentes culturais” e a verba disponível para o concurso aumentou em 500 mil euros. De acordo com o Público, num comunicado enviado às redações, a fundação explica que os apoios assumirão “a forma de uma reposição parcial dos rendimentos perdidos, contribuindo para fazer face a despesas de subsistência”, destes artistas que operam agora num terreno de maior instabilidade. 

Os valores serão distribuídos nas seguintes proporções: “32,3% [são entregues] na área da música, 16,7 % na área da dança, 30,9% do teatro, 17,9 % das artes visuais e 2,2% de outras áreas”, diz a entidade; no que diz respeito às estruturas artísticas “16% [são entregues] na área da música, 15,1% na área da dança, 37,8% do teatro, 8,4% das artes visuais e 22,7% de outras áreas”. Os agentes individuais foram já contactados pela fundação esta segunda-feira, 20 de março, embora não esteja disponível publicamente uma lista com todos os beneficiados.

Com a economia da cultura parada, justifica-se “esta inédita intervenção de emergência”. A presidente da fundação, Isabel Mota, refere na mesma nota que “a fundação não seria a mesma sem a comunidade de artistas portugueses com quem, ao longo dos anos, foi construindo relações de confiança recíproca.”

A fundação comunicou os resultados de um concurso que decorreu entre 30 de março e 6 de abril e que diz respeito a uma linha de apoio que decorre do Fundo de Emergência. Desta forma, cinco milhões de euros serão distribuídos por várias áreas em resposta às perturbações criadas pelo novo coronavírus no setor social, científico ou cultural.

Os apoios foram aprovados pelo Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, com um reforço de 50% do montante que inicialmente tinha sido destinado à linha de emergência como sendo de cerca de um milhão de euros.

Entre os critérios de seleção, além das condições de candidatura já conhecidas, foram tidos em conta “fatores de igualdade de género e de distribuição regional, incluindo a situação daqueles que exercem a sua atividade profissional há menos tempo” enfatiza a fundação. Além disso, os apoios foram atribuídos tanto a artistas quanto a técnicos.

A Gulbenkian anunciou ainda os resultados do Concurso Novos Criadores em Cinema Dança e Teatro que estavam a decorrer antes do aparecimento da pandemia. Serão atribuídos “mais de 200 mil euros a 46 projetos” naquelas áreas, detalhando a fundação que “foi dada prioridade a criadores em início de carreira ou que se encontrem a iniciar um novo eixo de intervenção no seu percurso artístico, bem como a criadores no exercício de abordagens artísticas consideradas inovadoras”.