Elevada procura reforça operadoras de telecomunicações

Fonte: Credicar Vantagens

NOS, ALTICE e Vodafone reforçam a capacidade das redes, devido ao elevado número de portugueses a trabalhar a partir de casa e ao encerramento das escolas. Na segunda-feira passada, dia 16 de março, as operadoras tiveram uma perceção do novo sistema de consumo de comunicações.

De acordo com as respostas da Altice, Vodafone e NOS à agência LUSA, o aumento do fluxo doméstico expressa uma maior procura das operadoras de telecomunicações, uma vez que o novo coronavírus impede a permanência de alguns trabalhadores no seu local de trabalho e que comunidade estudantil possa frequentar espaços escolares.

Segundo o jornal Observador, as três operadoras “dizem que estão preparadas para suportar picos de utilização e que não têm enfrentado situações críticas”, face às circunstâncias que o país enfrenta.

No caso da NOS, o importante é apoiar as famílias, empresas e instituições para que todas possam assegurar os seus serviços sem qualquer tipo de falha. A empresa refere ainda que o objectivo está na “continuidade do seu negócio e consequentemente de todos aqueles que dela dependem.”

A ALTICE, dona da MEO, preocupa-se com o possível estado de emergência que Portugal possa vir a ter, embora tenha afirmado, em declarações ao observador, que o trabalho da operadora visa na “optimização, robustez e melhoria da rede” sempre acompanhado com a “estreita cooperação com as autoridades”.

Tendo por base o jornal Publico, a Vodafone Portugal garante a melhor prática do serviço com o reforço “da monitorização das suas redes, adotando medidas excepcionais de optimização das mesmas.”

Os efeitos da pandemia já se fazem notar nos serviços de rede, embora as operadoras afirmem que não têm ocorrido cenários preocupantes. Foi no primeiro dia sem aulas que as operadoras percebem o funcionamento do sistema e quais as estratégias a aplicar.