Covid-19 nos países em guerra

O responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) para o Mediterrâneo Oriental, Ahmed Al-Mandhari, alertou esta sexta-feira, dia 27, para as implicações de uma possível disseminação do vírus Covid-19 nos países devastados pela guerra.

Segundo o jornal Expresso, Ahmed Al-Mandhari referiu num comunicado que “o aparecimento do vírus em países muito mais vulneráveis com sistemas de saúde frágeis, incluindo a Síria e a Líbia, constitui uma preocupação especial”. O diretor regional da OMS indicou, ainda, que “um país como a Síria, devastado pela guerra e com milhões de deslocados, com um sistema de saúde já no limite, ficará claramente sobrecarregado com um surto da Covid-19 e o impacto pode ser catastrófico”.

A capacidade de dar resposta ao surto é “extremamente limitada no leste da Líbia e quase inexistente no sul” do país devido à guerra civil em curso e à precariedade do sistema de saúde. O responsável acrescentou que “movimentos populacionais grandes e frequentes entre a Líbia e outros países afetados aumentam o risco para uma população de pessoas vulneráveis”.

Apesar da OMS e os parceiros estarem a treinar 540 profissionais de 180 unidades de saúde na zona sobre “segurança, prevenção e controlo de infeções”, o diretor regional da agência da ONU assume que outra preocupação é a “escassez global de ‘kits’ de testes e de equipamentos de proteção para profissionais de saúde”, além das restrições às viagens e do encerramento de fronteiras.

“Tudo isto impede a capacidade da OMS de fornecer, com urgência, conhecimentos técnicos e material necessário a esses e outros países”, adiantou no comunicado.