Covid-19 : 62 milhões de crianças em pobreza extrema

Fonte: Observador

A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta para os números elevados de pobreza no mundo, que sofrerão um agravamento com a pandemia da Covid-19. Num documento elaborado pela UNICEF divulgado esta sexta-feira, dia 17 de abril, difunde-se que apesar das crianças não fazerem parte do grupo etário em risco por causa do vírus, a pobreza por ele gerada pode afetar 62 milhões delas.

O relatório apresenta 386 milhões de crianças em situação de pobreza extrema em 2019. O número aumenta desde o início da propagação do vírus e, entre 42 a 62 milhões de crianças, correm o risco de pobreza extrema devido à presente crise. Além destes valores, a ONU refere que 1.5 milhões de crianças são afetadas pelo encerramento de estabelecimentos de ensino em 188 países que adotaram medidas para evitar a propagação do vírus. Dois terços dos países iniciaram ensino à distância, mas apenas 30% dos alunos tem acesso ao “ensino virtual” nos países mais desfavorecidos. 

O documento admite que “todas as crianças, de todas as idades e em todos os países estão a ser atingidas pelos efeitos sócio económicos da pandemia, sendo que os efeitos da crise podem vir a ter impactos de longa duração, sobretudo nos países mais pobres onde existe mais vulnerabilidade.”  

A Organização relembra, ainda, os três principais aspetos da crise sobre as crianças. De acordo com o Observador, passam pela infeção pelo coronavírus, os impactos sócio económicos relacionados com as medidas contra a propagação da doença e os seus efeitos a longo prazo, e a implementação dos objetivos para o desenvolvimento sustentável. 

O relatório de 17 páginas divulgado pela agência Lusa apela à necessidade de expandir de imediato a assistência às famílias e “garantir as ferramentas necessárias para proteger as crianças da pobreza extrema.”