Coimbra, a despedida que deixa saudade

Fonte: Diário de Coimbra

“Balada da Despedida” 5º Ano Jurídico 88/89 | Queima das Fitas Coimbra 2019

A serenata monumental que antecede a Queima das Fitas de Coimbra vai realizar-se, este ano, em moldes diferentes. Face à pandemia do Covid-19, o evento a decorrer na noite desta quinta-feira, dia 7 de maio, irá ter lugar na Via Latina e decorrerá sem audiência. 

A evento será conduzido pelo grupo de fado “Capas ao Luar”. Fábio Almeida e Miguel Monteiro darão voz à serenata acompanhados pela guitarra de Guilherme Costa e João Godinho e a viola de José Corte-Real. 

A transmissão estará a cargo da Antena 1, da Televisão da Associação Académica de Coimbra (TvAAC), da Rádio Universidade de Coimbra (RUC) e da página de Facebook da Queima das Fitas

Segundo o Reitor da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, esta iniciativa reforça a posição da UC que, “mesmo em situações excecionais, mantém a vontade, a força, a resiliência e a tradição da academia de Coimbra, que é diferente por isso mesmo”. 

Na perspetiva do Dux Veteranorum da UC, Matias Correia, esta edição da serenata, em tempos de isolamento, concretiza dois objetivos: “Servir para matar a saudade de Coimbra da parte dos estudantes e dos antigos estudantes, mas sendo também como momento de esperança para todo o país”.

A Balada para os estudantes

O Jornal em Ponto procurou saber junto de estudantes, que vão ouvir a serenata como caloiros e como finalistas, como este evento  será vivenciado à distância. 

Sara Paiva, aluna do 1º ano da licenciatura em Jornalismo e Comunicação da UC, admite viver uma situação de questionamento em relação ao evento. “Não posso dizer que estou triste, porque para o fazer teria de ter vivido o que é o ambiente da Queima das Fitas e da serenata”, confidenciou. Porém afirma questionar-se sofre como iria ser a sua reação à vivência presencial do evento. 

A primeira serenata de Ana Rita Cunha vai ocorrer também de forma diferente do que ansiava. “Era o ponto alto do meu ano de caloira e também o mais esperado e especial”, justificou. O evento era para a estudante “o momento em que ia vestir o traje pela primeira vez e ouvir a serenata junto das madrinhas e dos amigos que a cidade trouxe”. Devido às circunstâncias, Ana Rita Cunha sente-se agradecida pela transmissão online, dado que a serenata “é importante para todos os estudantes e esta é uma forma de não deixar o momento passar.”

É no lugar de finalista que Jéssica Gonçalves, aluna do 3º ano da licenciatura em Jornalismo e Comunicação da UC, vai assistir ao evento via-online. “É difícil, mas graças às novas tecnologias vou poder assistir em casa”, afirmou. Apesar da possibilidade de visualização à distância, Jéssica Gonçalves revela que a experiência vai ser diferente. “Não vai ser o mesmo, não vou estar apertada por outras pessoas que estão a assistir nas ruas da Sé Velha”, acrescentou. Contudo a estudante exibe compreensão quanto ao panorama atual do país: “é um sentimento agridoce, mas sei que isto tudo é para o melhor de todos”.

Tal como Jéssica Gonçalves, Daniela Galvão, estudante do 3º ano do curso de Jornalismo e Comunicação, assiste esta quinta-feira à última serenata enquanto estudante da licenciatura. “Acho que todos os estudantes sonham com este momento, desde que entram em Coimbra”, argumenta, ao que acrescenta que a serenata, enquanto finalista, “é o culminar de 3 anos, de um percurso de crescimento e de memórias que vão ficar para sempre”.  Ainda que com tristeza, a estudante respeita a medida: “o mais importante é estarmos em segurança e ter a oportunidade de ver a serenata.